Sistema OCB/PB profere palestras em Simpósio de Contabilidade e Gestão

31 10 2014
André Pacelli proferiu palestra

André Pacelli proferiu palestra

“Cooperativas e o desenvolvimento da Paraíba” foi o tema da palestra proferida pelo presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli, ontem (30), durante o 1º Simpósio de Contabilidade e Gestão Cooperativa (SICONGEC), realizado ontem na UFPB Campus IV – Litoral Norte, em Mamanguape. A contadora do Sistema OCB/PB, Djane Almeida, também proferiu palestra no evento sobre o tema “Aspectos contábeis das sociedades cooperativas”. O evento foi promovido pelo Instituto UFPB de Desenvolvimento da Paraíba IDEP/UFPB em parceria com o Grupo de Apoio a Pesquisa em Ciências Contábeis – GAPCIC/UFPB/CNPq.

Palestra de Djane Almeida

Palestra de Djane Almeida

Anúncios




Contadora paraibana ministra palestra no Sescoop/BA

24 09 2014
Encontro de Contadores

Encontro de Contadores

A contadora Djane Almeida Queiroz, do Sistema OCB/PB, realizou palestra durante o IV Encontro de Contadores promovido pelo Sescoop Bahia. O evento aconteceu na semana passada, em Salvador. Os participantes do encontro debateram temas como: Contabilidade para cooperativas de acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade NCB T 10.8 e NBC T 10.21; obrigações previdenciárias para as sociedades cooperativas, com base na Instrução Normativa RFB 971/2009; e tributação para sociedades cooperativas, com base na Instrução Normativa SRF635/2006.





OCB divulga relatório mensal sobre ações de junho

11 07 2014

Documento apresenta resultados das atividades desenvolvidas no mês passado
Brasília (11/07) – O Sistema (OCB) divulgou ontem o relatório mensal de suas ações referentes ao mês de junho. O envio do documento aos diretores, representantes dos ramos e dirigentes das unidades estaduais marca a transparência da entidade que representa politicamente as cooperativas do país.

A intenção do Sistema OCB é prestar contas de tudo o que foi desenvolvido no período, possibilitando que as lideranças poderão acompanhar o andamento das ações e projetos prioritários para o crescimento do cooperativismo no Brasil. Além disso, os dirigentes estaduais poderão propor novas estratégias que garantam o cumprimento das metas propostas.

Dentre os pontos de destaque do documento, está lançamento do Dia de Cooperar (Dia C) em sete unidades estaduais, com a participação de mais de 122 cooperativas e cerca de 500 pessoas. Por falar nisso, até o dia 30 de junho, 910 iniciativas foram inscritas, contemplando 21 estados e 11 ramos.

Outro assunto que tomou conta da pauta do Sistema OCB foi a aplicação dos questionários que subsidiarão a elaboração do Diagnóstico do Ramo Consumo. No total, 32 cooperativas responderam à pesquisa encerrada no dia 30 de junho. Vale destacar que 95 é o número de cooperativas regulares participantes do diagnóstico.

Na mídia foram publicadas 365 notícias sobre o Sistema OCB e suas unidades. Todos esses textos juntos representam um retorno em mídia espontânea de R$ 5 milhões, já que 97% das notícias divulgadas são consideradas positivas.

Clique e LEIA A ÍNTEGRA DO RELATÓRIO!

20140711-140358-50638557.jpg





Mil cooperativistas prestigiam a abertura da Feira EXPOCOOP 2014

18 05 2014

Cerca de mil pessoas participaram, na noite desta quinta-feira (15/05), da abertura oficial da Expocoop 2014 – Feira internacional do cooperativismo, que acontece na Expo Unimed, em Curitiba. O evento foi prestigiado por cooperativistas de todas as regiões brasileiras e de delegações estrangeiras. Representantes de 15 países estão presentes na feira, promovida pela WEB Business, com apoio dos Sistemas OCB e Ocepar e Aliança Cooperativa Internacional (ACI). A Expocoop é considerada uma das maiores vitrines do cooperativismo global e está reunindo 170 expositores, 120 nacionais e 50 estrangeiros. A programação contempla ainda a realização de vários eventos paralelos, como seminários, encontros e palestras. O evento encerra neste sábado (17/05).

Mesa de abertura– As autoridades que compuseram a mesa de abertura foram: a presidente da ACI, Pauline Green; o presidente da Expocoop, Luiz Branco; o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas; o presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski; o embaixador da FAO para o cooperativismo, Roberto Rodrigues; o vice-governador do Estado do Paraná, Flávio Arns, representando o governador Beto Richa; o secretário de desenvolvimento agropecuário e cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Caio Rocha, representando o ministro Neri Gueller; o secretário do Abastecimento da Prefeitura de Curitiba, Aldo Fernando Klein Nunes, representando o prefeito Gustavo Fruet; o deputado federal e presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), Osmar Serraglio; o deputado estadual Élio Rush, representando o Assembleia Legislativa do Paraná; o reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Zaki Akel Sobrinho e o vice-presidente de Agronegócio e Micro e Pequenas Empresas, Osmar Dias.

Intercooperação – O presidente da Expocoop 2014, Luiz Branco, lembrou que a primeira edição da Feira aconteceu em 2004, em São Paulo. “Depois, a Expocoop viajou ao mundo e agora está de volta ao Brasil, ao Paraná, estado que tem um modelo cooperativista exemplar”, disse. Segundo ele, a Expocoop tem se consolidado como um evento de destaque no cooperativismo em razão de seus objetivos. “Buscamos, principalmente, valorizar as cooperativas, apresentar seus produtos e promover a intercooperação. Esperamos que essa edição seja um sucesso e crie condições para novos e duradouros negócios entre as cooperativas”, finalizou.

Legitimidade – “Aqui está a legitimidade do cooperativismo brasileiro. Todos os estados, todos os ramos e as principais organizações cooperativas reunidas. Aqui estão seus comandados, Pauline, querendo aplicar sua receita de sucesso. Estou muito orgulhoso dessa Feira, que mostra um espelho do cooperativismo; mostra que podemos, sim, ser muito mais do que parecemos ser. Nossas cooperativas têm feito a diferença na sociedade, e aqui, talvez, consigamos mostrar mais isso, mostrar a que veio o cooperativismo”, disse o presidente da OCB, Márcio de Lopes Freitas.

Crescimento – O presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, destacou o crescimento do cooperativismo paranaense, que tem avançado a uma média de 10% ao ano. “Em 2013, as cooperativas do Paraná cresceram 19% em movimentação econômica. Isso expressa muito bem a importância do cooperativismo no Paraná, pois 18% do Produto Interno Bruto do Estado passa pelas cooperativas paranaenses, quer sejam elas agropecuárias, do crédito, da saúde, enfim, de todos os ramos. Quando nós falamos no agronegócio, 56% de tudo o que gira em torno desse segmento circula pelas nossas cooperativas. Hoje, o cooperativismo gera 1,7 milhão de postos de trabalho, dinamizando principalmente a economia do interior do estado, promovendo o desenvolvimento, gerando emprego e, sobretudo distribuindo renda, o que é fundamental”.

Capacitação – De acordo com Koslovski, o crescimento do cooperativismo paranaense está alicerçado num forte investimento na capacitação do público ligado ao setor, destacando que, somente no último ano, foram mais de 160 mil pessoas treinadas com apoio Sescoop/PR. Ele disse ainda que o setor tem focado na profissionalização da gestão. Ele ressaltou também os avanços registrados nos demais ramos do cooperativismo, como saúde, que agrega mais de 2,5 mil beneficiários, e crédito, que no ano passado chegou perto de R$ 20 milhões em ativos. O presidente da Ocepar lembrou que o cooperativismo sofre com gargalos, como a falta de infraestrutura e excesso de tributação. “Mas nós gostaríamos de dizer que, unidos, integrados, somados, estes desafios se tornam fáceis de serem vencidos. Contando com apoio das autoridades, dos cooperativistas e da nossa liderança, com certeza, nós avançaremos, superaremos esses gargalos e vamos crescer ainda mais”, completou.

Soma de esforços – O secretário de desenvolvimento agropecuário e cooperativismo do Mapa, Caio Rocha, destacou a parceria do ministério com o cooperativismo e falou sobre a importância do evento. “A Expocoop significa um momento de troca de experiências, um evento de motivação e representa, principalmente, uma atitude cooperativista, usando aqui uma expressão usada pelo Roberto Rodrigues. Trata-se de uma forma de podermos seguir avaliando, coordenando e fazendo uma reflexão sobre as nossas políticas e ir vendo com outras cooperativas o caminho que poderemos seguir. Não existe crescimento ou desenvolvimento sem a soma de esforços e sem a divisão das responsabilidades. Nós que estamos aqui acreditamos no cooperativismo porque somos cooperativistas. Mas temos a responsabilidade de difundir o sistema para aliviar a carga de quem fica trabalhando sozinho no dia a dia. Nós juntos, podemos buscar soluções mais fáceis. Assim, o peso diminui, o conhecimento amplia”, afirmou. “Estou aqui para dizer que somos parceiros, que não podemos arredar o pé de estar junto com a base, com a produção rural, senão não tem significado estar lá no Ministério da Agricultura”, completou.

Referência – O vice-governador do Paraná, Flávio Arns, que na ocasião representou o governador Beto Richa, lembrou que no Paraná o cooperativismo é uma experiência bem-sucedida. “O nosso cooperativismo é uma referência, responsável por mais de 1,7 milhão de postos de trabalho, uma organização extremamente forte e eficiente, agregando valor aos produtos, tornando o estado mais rico socialmente e economicamente, e contribuindo decisivamente para o progresso de todas as regiões”, comentou. Arns ressaltou também a importância da Expocoop, lembrando que um evento internacional, do porte desta feira, aproxima os países, gera experiências novas e propicia a geração de negócios. “Ela faz com que a força do cooperativismo, vinda da união das pessoas, não se restrinja a um estado ou país. Favorece a articulação estadual e internacional”, disse.

Privilégio – O presidente da Frencooo, deputado Osmar Serraglio, citou como um privilégio estar presente à feira, com a representação de 16 diferentes países e ressaltou o trabalho realizado pelo Sistema OCB de instrumentalizar os parlamentares para a eficiente defesa dos interesses cooperativistas. E pontuou: “O Brasil tem essa expressão internacional no agronegócio e sempre frisamos que, se temos uma reserva cambial no mercado, é graças ao cooperativismo. Somos os maiores exportadores de carne bovina, de frango, suco de laranja, café, açúcar. Vocês que nos visitam estão dentro de um ambiente propício ao mercado internacional.

Produção de grãos– Serraglio destacou ainda que o Paraná é o segundo maior produtor de grãos do país, sendo as cooperativas responsáveis por 56% dos R$ 45 bilhões produzidos. “Esse é um ambiente que nos orgulha, de irmandade, sem ambição capitalista. Compartilhamos a alegria das sobras. Em matéria de exportação, somos um gigante. Aproveitem as oportunidades neste verdadeiro balcão internacional”, finalizou o parlamentar.

Liderança – Considerado uma das figuras mais importantes do cooperativismo brasileiro, Roberto Rodrigues, embaixador especial para as cooperativas para a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e ex-ministro da Agricultura, lembrou que durante a Expocoop foram apresentados vários números do cooperativismo e que demonstram a grandeza deste movimento e o horizonte crescente da sua participação na economia nacional e mundial. No entanto, a expansão do cooperativismo é diferenciada porque o “o movimento cooperativista é a face humana da economia. O braço econômico da progressão social”, destacou. Rodrigues também falou sobre suas ideias e propostas e que direcionam o cooperativismo para uma posição de liderança global, em virtude do seu aspecto social. “O que se vê hoje é que há um movimento coletivo crescente e difuso, sem liderança ou organização. Isto demonstra também que as pessoas não estão felizes. Elas querem se manifestar, e se manifestam, apertando uma tecla nas redes sociais. Elas estão indo para as ruas porque querem encontrar quem lhes dê rumo, em busca da felicidade”, disse.

Em defesa da paz– Na avaliação de Rodrigues, o cooperativismo vem construindo, com o seu trabalho, um projeto de felicidade, em função também do seu 7.º princípio universal, que é a preocupação com a comunidade. “Mas o que estou sugerindo é transcender isso, por isso estou falando no mundo inteiro é de que talvez não haja mais espaço para líderes individuais. Também penso se não é chegada a hora do cooperativismo, com seus princípios e valores mundialmente aceitos, participar mais da governança universal, em favor de um mundo melhor e que dará as pessoas um bem-estar melhor e uma felicidade maior”, indagou. Segundo ele, para chegar a este patamar, o cooperativismo precisa de um grande fato que faça o mundo todo olhar para as cooperativas como um movimento capaz de coordenar o bem-estar coletivo. “E que evento pode ser este? O cooperativismo conquistar o Prêmio Nobel da Paz”, arrematou.

Em pronunciamento de abertura da Expocoop 2014, a presidente da Aliança Cooperativa Internacional (ACI), Pauline Green, defendeu maior presença do cooperativismo nos fóruns de decisões políticas globais. Segundo ela, a importância econômica e social do movimento cooperativista o qualifica a ter maior influência junto a governos e tomadores de decisão, tanto em nível regional quanto nacional e mundial. “Está na hora das cooperativas assumirem seu papel. Vamos quebrar a redoma que nos impede de ter acesso aos fóruns que definem políticas que afetam a economia global. A voz de 1 bilhão de cooperativistas precisa ser ouvida”, defendeu.

Inclusão no G20– Pauline comemorou a inclusão de um representante do cooperativismo na próxima Cúpula do G20, que acontecerá em novembro, na Austrália. “Pela primeira vez, estaremos presentes nesse fórum de discussões. Até hoje, os mandatários do G20 nunca ouviram a palavra cooperativismo ser pronunciada e estamos determinados a mudar essa situação. Queremos sentar à mesa e ter maior influência política”, disse. A líder conclamou a todos os cooperativistas a pressionar e buscar uma maior influência do setor na formulação das políticas nacionais. “Seus governos e chefes de estado devem saber sobre as demandas do cooperativismo”, ressaltou.

Papa – Pauline lembrou o encontro que cooperativistas da ACI tiveram com o Papa Francisco, em 2012. “O pontífice contou-nos que, quando garoto, seu pai explicou-lhe sobre o cooperativismo, uma conversa que ele nunca esqueceu. O Papa perguntou-me a razão pela qual os líderes mundiais ainda não perceberam os benefícios do movimento cooperativista, um modelo de negócios que entende os valores humanos e as necessidades das pessoas”, relatou.

Protestos – A presidente da ACI observou que os protestos recentes de jovens, em várias partes do mundo, condenam o sistema econômico e político vigente. “Mas, em todos esses movimentos, os jovens afirmam gostar do cooperativismo e o adotam como um modelo mais justo de negócios”, disse. Para ela, o cooperativismo precisa dar mais espaço à juventude, e citou o exemplo de uma cooperativa em Israel. “Jovens israelenses juntaram-se a jovens palestinos e fundaram um novo tipo de cooperativa, conseguindo até mesmo autorização para criar um novo banco cooperativo. Eles trouxeram a mudança, a inovação”, ressaltou. “São experiências que precisam ser replicadas em todo o mundo. Precisamos que os jovens usem as redes sociais para falar do cooperativismo.”

Boa impressão– Pauline disse estar impressionada com a qualidade dos produtos expostos na Expocoop, uma demonstração da profissionalização crescente do sistema. Qualidade de produtos e serviços que serão vitais para que as metas da ACI para a década sejam alcançadas. “Nossa estratégia pretende fazer com que, até 2020, o cooperativismo seja o modelo econômico e social com o maior crescimento no mundo. Mas, para que isso se realize, precisamos agir. Faremos o máximo para influenciar os líderes políticos a criar um ambiente adequado ao desenvolvimento das cooperativas. Juntos, podemos construir um mundo melhor”, concluiu.





Cooperativas participam de feiras em Curitiba e João Pessoa

15 05 2014
Peças em algodão colorido serão expostas na Expocoop

Peças em algodão colorido serão expostas na Expocoop

Produtos e serviços de cooperativas paraibanas estarão em destaque em duas feiras importantes para o setor, que começam nesta quinta-feira (15). Realizada em Curitiba (PR) até o próximo sábado (17), a Feira Internacional de Negócios Cooperativos (Expocoop) terá representantes de cinco cooperativas da Paraíba, que produzem flores, papel, artefatos de couro, acessórios de algodão colorido e chita. Em João Pessoa, a Feira do Empreendedor também terá exposição de produtos e serviços de cooperativas de saúde e de crédito até o domingo (18).

A participação das cooperativas nas feiras é viabilizada através de parceria com o Sistema OCB/PB (Sindicato e Organização das Cooperativas da Paraíba / Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo). Para o presidente do Sistema, André Pacelli, as feiras dão visibilidade às cooperativas e oportunidade para a abertura de novos nichos de mercado, além de favorecer a troca de experiências de gestão. “Na Expocoop, teremos uma experiência inédita que contribuirá para a profissionalização dos dirigentes, os quais conhecerão casos de sucesso de cooperativas dos países do BRICS”, afirmou Pacelli.

Considerada a maior feira do cooperativismo mundial, a Expocoop reunirá líderes cooperativistas, compradores e fornecedores de 16 países, criando uma plataforma de negócios entre os produtores e o mercado internacional. Participarão do evento as seguintes cooperativas paraibanas: Arteza – Artefatos de Couro (Cabeceiras); Cooperativa de Produção de Papel (Coopapel) e Cooperativa de Produtos Têxteis e Afins do Algodão (Coopnatural), ambas de Campina Grande; Cooperativa de Flores de Pilões (Cofep); e Cooperativa Artesanal “As Cabritas de Boa Vista”.

A Feira do Empreendedor, promovida pelo Sebrae-PB, terá participação das cooperativas Uniodonto João Pessoa, Unimed João Pessoa e Sicoob Litoral que ocuparão o mesmo estande do Sistema OCB/PB. No espaço, os visitantes terão acesso a informações, poderão participar de jogos e sorteio de brindes das cooperativas e do Sistema OCB/PB, que distribuirá mudas de pinheiro (árvore símbolo do cooperativismo) durante o evento.





Dia C: campanha de voluntariado cooperativista chega à Paraíba

30 03 2014

Gestores do Sistema OCB/PB participaram de lançamento

A Paraíba é um dos 21 estados brasileiros que participarão da primeira edição nacional do Dia de Cooperar (Dia C), em 2014.  O Projeto é uma iniciativa do Sistema OCB que, com apoio e participação efetiva das cooperativas, busca estimular o voluntariado e a intercooperação em prol da comunidade. A expectativa é que um milhão de brasileiros sejam beneficiados pelo Dia C este ano.

O dia 6 de setembro de 2014 foi escolhido para celebrar os resultados da campanha, mas as ações poderão ser realizadas durante todo o ano e virar projetos permanentes. Podem participar as cooperativas que realizem ações voluntárias como: campanhas de doação (sangue, de alimentos, livros, agasalhos e outros); programas de preservação ambiental; atividades educativas, esportivas ou culturais; ações em apoio a entidades sociais; dentre outras que ressaltem o princípio cooperativista de atenção ao próximo (“Interesse pela comunidade”).

Cooperativistas de todas as regiões brasileiras vestem a camisa do Dia C

Para conhecer melhor o projeto, o presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli, a gerente de Desenvolvimento de Cooperativas, Fabiana Bitencourt, e a analista de Comunicação, Ana Teixeira, participaram do evento de lançamento do Dia C, realizado esta semana, em Brasília. De acordo com o presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli, o Projeto dará às cooperativas paraibanas a oportunidade de mostrar ações de responsabilidade social e ambiental que já são realizadas, além de fomentar o surgimento de novas iniciativas em promovam bem-estar e qualidade de vida no Estado.

Na abertura do evento, o presidente nacional do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, lembrou que os diferenciais do cooperativismo vão além da eficiência econômica. “As cooperativas são sociedade de gente, que geram confiança, bem-estar, qualidade de vida, felicidade para as pessoas. Esta é a nossa proposta: levar esse espírito à sociedade brasileira a partir da prática do voluntariado”, afirmou o presidente nacional do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

DSCN0089

A ORIGEM – O Dia C foi realizado pela primeira vez em 2009 pelo Sistema Ocemg, que representa o cooperativismo mineiro. Na oportunidade, 139 cooperativas realizaram, em um mesmo dia e em todo o Estado, ações sociais voluntárias diversificadas. A iniciativa conquistou a adesão de mais cooperativas no anos seguintes e teve tanto sucesso a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) decidiu expandir o programa para todo o Brasil a partir de 2014.

Sistema Ocemg cedeu direitos

Por meio de um termo de cooperação, a organização mineira cedeu gratuitamente à Unidade Nacional todos os conceitos, ferramentas e processos relacionados à ação. Este ano, o Dia C ocorrerá em 21 estados: Amapá, Pará, Rondônia, Tocantins, Alagoas, Bahia, Paraíba, Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e o Distrito Federal.

COBERTURA – Notícias e atualizações sobre o que as cooperativas estão preparando, em todo o Brasil, para participar desta grande campanha de voluntariado, podem ser acompanhadas pelo Blog criado especificamente para o evento. Acesse o blog diac.brasilcooperativo.coop.br e fique por dentro.





Sistema OCB lança Agenda Legislativa do Cooperativismo

28 03 2014

Lideranças paraibanas participaram do evento

Parlamentares, ministros e lideranças do cooperativismo brasileiro participaram do lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo 2014, realizada nesta terça-feira (25), em Brasília. A Paraíba foi representada no evento pelo presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli, além do deputado Efraim Filho, senador Cícero Lucena e o presidente da Faepa, Mário Borba.

A agenda, que já está em sua oitava edição, traz cerca de 50 proposições que estão em tramitação no Congresso Nacional e são vistas como prioritárias pelo setor a exemplo dos projetos que tratam do tratamento tributário ao ato cooperativo e da “Lei Geral do Cooperativismo”. O documento foi apresentado aos parlamentares pelo presidente nacional do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

“A agenda é fundamental para o nosso trabalho de representação no Poder Legislativo e já se tornou referência entre os integrantes da Frente Parlamentar do Cooperativismo, a Frencoop. Nela, estão relacionadas as nossas prioridades e, a partir disso, atuamos fortemente, como movimento organizado que somos, pela conquista de marcos regulatórios que contribuam para um ambiente cada vez mais favorável às atividades das cooperativas”, destaca o presidente nacional do Sistema OCB.

O lançamento reuniu cooperativistas do Brasil inteiro

Estiveram presentes no evento 350 lideranças cooperativistas, representantes de unidades estaduais e autoridades políticas nacionais, sendo 64 parlamentares, além do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Neri Geller, e do secretário de agricultura familiar do Ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA), Valter Biachinhi, que receberam do presidente do Sistema OCB as propostas cooperativistas ao Plano Safra da Agricultura Familiar (2014-2015) e ao Plano Agrícola e Pecuário (2014-2015).

Pautas prioritárias

Entre as pautas prioritárias está a chamada “Lei Geral do Cooperativismo”, que é objeto do Projeto de Lei do Senado 03/2007. O PLS revoga a Lei 5.764/1971, estabelecendo um novo regime jurídico para as cooperativas. Para o presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli, a aprovação deste projeto é fundamental para o setor, que já espera uma definição neste sentido há 20 anos.

“A Lei do Cooperativismo é de 1971, já está desatualizada e precisa ser aprimorada. Outro ponto importante, que foi destacado no discurso de vários parlamentares, inclusive pelo vice-presidente da Câmara, que falou sobre o compromisso da base do governo na questão do tratamento tributário adequado ao ato cooperativo, exemplificando que algumas medidas provisórias já trazem um tratamento diferenciado do ponto de vista tributário como no caso das cooperativas culturais. Isto vai beneficiar muito o setor, especialmente, o ramo saúde”, afirmou Pacelli.